Àquela Senhora

Aquela cumbuca abençoada,
bem suada, surrada, sacudida,
Uma bacia com moedas que parece um chocalho
impertinente
Mas é um grito de socorro,
é um olhar vago de desesperança que queima
por isso se foge inconsciente
Mas o barulho persiste
renitente
é quase um esporro que trespassa nossas máscaras
tudo à vista
o tilintar das moedas ensurdece a gente surda mais que os sinos da Igreja que
[tem às costas
todas cegas pessoas passam…
todavia o barulho me suga sem fuga,
mudo
e não mudo de calçada
Esta a verdadeira cruzada
o ruído corrói,
suplanta todo o zunzunzum do centro
enxerga, queima, grita, suplica
aquela senhora cega sentada à frente do Mosteiro de São Bento.

Paulo Roberto Laubé, às vezes jornalista, às vezes professor, às vezes poeta, às vezes nada…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s