Gossip Art – Bunuel e sua obscura troca de atrizes

ED93B4D0-5AFD-40CE-8170-CCA7134516F1_imagemempauta2 (1)

Buñuel é conhecido por ser um dos grandes cineastas surrealistas. Alguns de seus filmes são aclamados pela crítica e, de fato, é um dos mais divertidos dos cineastas clássicos. Mas o que pode ter parecido uma de suas genialidades, dizem as más línguas, que nada mais foi do que um contratempo.

Pois bem, alguns devem ter visto o filme Esse Obscuro Objeto de Desejo. Repentinamente, uma das personagens muda de atriz de uma cena para outra e o filme prossegue assim, trocando entre uma e outra, de algumas forma simbolizando as diferentes personalidades da mesma personagem. Quando o filme foi as telas, a crítica achou o recurso genial. Que ousado! No entanto, há quem ache que foi mais um incidente do que propriamente uma de suas invenções.

Ao que tudo indica, a atriz chamada para o papel era, digamos, muito estrela e, dentre outras exigências, não quis fazer as cenas de nudez. Assim, em determinado momento, simplesmente demitiu a atriz. Afinal excêntrico por excêntrico, ele era mais ele. Fez um novo casting  e encenou o restante das cenas com a nova atriz. Porém, o orçamento não permitia a refilmagem das cenas que faltavam. A solução? Bom, o diretor simplesmente utilizou as duas atrizes. E não é que funcionou?

Ora, nada mais apropriado para um diretor surrealista do que se inspirar na realidade e tirar proveito dela. Afinal, o que pode ser mais incrível do que a vida real?

Gossip Art – A Origem dos Leilões

Para quem não conhece, o Gossip Art é a coluna que conta as melhores fofocas do mundo intelectual. Elas não precisam ser verdades, somente ser uma boa história para contar, afinal.

Outro dia falei sobre a “relação” de Picasso com o dinheiro. Mas o pintor multifacetado tem outras tantas lendas que tornam seu trabalho ainda mais especial. Dizem, por exemplo, que foi o cubista que criou as vernissagens e leilões no mundo das artes. E de uma maneira muito peculiar.

Em sua época, os artistas convidavam os marchands para seu atelier, onde negociavam conforme sua vontade as obras que lhe apraziam. Pois bem. O Picasso resolveu inovar. Certa vez marcou com um marchand, em seguida marcou com outro no mesmo horário. Não avisou nenhum dos dois que ambos iriam aparecer no mesmo horário.

Claro, que o constrangimento foi apenas inicial. Em pouco tempo, os dois estavam disputando suas pinturas com um leilão aberto. A prática acabou institucionalizada e hoje todos os artistas imitam o pintor, não apenas na técnica, mas também na sagacidade.

Bogado Lins é escritor, roteirista e articulador do Literatura Cotidiana

Gossip Art – Valor de sua Obra

picasso

É mentira? É verdade? Não importa, desde que seja uma boa história. As melhores fofocas dos escritores, intelectuais e cults em geral você encontra por aqui.

Contam que certo dia Picasso foi questionado por um jornalista americano:

– Qual é o verdadeiro valor de sua arte?

Picasso então gentilmente pediu-lhe uma nota de um dólar. O pedido foi entregue. Imediatamente o artista assinou seu nome e entregou-lhe a obra. Então disse:

– Este é o valor da arte.

 

Gossip Art – Um Bom Acompanhamento

imagem-3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Literatura Cotidiana decidiu reunir as melhores fofocas dos últimos séculos do meio artístico. São causos divertidos que ocorreram com algumas das mentes mais brilhantes do meio artístico. No fundo não é necessário que seja verdade, basta que as histórias sejam engraçadas, afinal, fofoca é fofoca.

Pois bem, dizem que certa vez Noel Rosa estava concedendo uma entrevista  para um jornalista em um dos seus botecos preferidos na região da Lapa por volta da hora do almoço. Ao chegar, o correspondente notou que Noel estava diante de um copo de cerveja e outro de cachaça ao lado. Já sabendo da fama de boêmio pregressa do sambista, perguntou:

– Noel, você nem almoçou ainda e já está tomando uma  cerveja?

– Ora, todos sabem que a cerveja é composta de cereais: lúpulo, malte, cevada. Ela é um alimento líquido. Praticamente um prato de comida.

– Mas e a cachaçinha?

– Ora, porque toda boa comida deve acompanhar uma boa bebida!

Bogado Lins é escritor, roteirista e articulador do Literatura Cotidiana

 

Gossip Art – Cartazistas Poloneses

23055-5731-plakat-propagandowy

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Inauguro um novo projeto aqui no Literatura, proponho-me reunir alguns dos causos mais divertidos que aconteceram na cultura e na arte ao longo dos séculos, amém.  Algo como um lugar reservado às fofocas do mundo cult, só que atemporal, afinal quem vive no âmbito da cultura, o tempo é apenas um dos referenciais da equação. Eles podem ser verdadeiros, podem ser falsos, mas só o fato de terem sobrevivido até hoje, contados de professores a alunos, de artistas à discípulos, vale a pena, pela durabilidade e, principalmente, pelo bom humor.

Sendo assim, começamos hoje o Gossip Art:

Diz-se que um dos países que tiveram alguns dos melhores cartazistas do mundo foi a Polônia. Conta-se que certa vez houve um encontro entre dois cartazistas depois da guerra, Erik Lipínski e Henryk  Tomaszewski. A reunião tinha um propósito pragmático, tratava-se de uma proposta que Lipínski iria fazer ao colega:

– Estou com uma ideia bacana: vamos fazer cartazes de filmes!

Tomaszewski cheio de indignação responde de pronto:

– Fazer cartazes de filmes? Nós, artistas? Impossível!!!

Bogado Lins é escritor, roteirista e fofoqueiro cultural

PS: O causo foi retirado do livro Andres, Uma Vida em mais de 3 Mil Filmes